Nossas vidas giram em torno de nossos telefones e dentro deles tem uma peça que carece de nossa atenção. Estou falando do cartão SIM, conhecido popular e simplesmente como chip.

Por meio dele, nossos aparelhos se registram na rede da operadora e nos permitem fazer e receber ligações, mensagens de texto e todos os recursos disponíveis no plano. Até contatos podem ser salvos nele.

Por que se proteger

Em caso de perda ou roubo, quem possuir seu telefone — mesmo bloqueado — pode ter acesso a esses recursos e consumir todos os seus créditos, minutos e pacote de internet.

Basta tirar o chip e colocar em outro dispositivo, que nem precisa ser um smartphone. Muitos serviços que você usa na internet ainda oferecem a mensagem de texto (SMS) como forma de confirmar sua identidade.

Assim é possível, por exemplo, redefinir a senha de suas contas online. Também são usados em muitos lugares como segundo fator de autenticação para fazer login.

Alguns bancos ainda utilizam o SMS para confirmar transações e enviar códigos únicos. Mensageiros como o WhatsApp precisam apenas receber uma mensagem via SMS para fazer login.

Tudo isso vai ficar à mercê de pessoas que podem tentar acessar seus perfis. E podem ficar te importunando ainda para descobrirem a senha de desbloqueio do próprio aparelho.

Até que a linha seja bloqueada após ligar para a operadora, basta por o chip em outro telefone.

Como se proteger

O cartão SIM tem um dispositivo de segurança que permite definir uma senha. Ele só vai funcionar após a inserção desse código de quatro dígitos ao ligar o aparelho onde ele estiver.

O usuário tem três chances de acertar o chamado PIN. Caso ele erre, tem dez chances para inserir o PUK. Caso erre também, o chip vira um peso de papel super leve. Será preciso comprar outro numa loja da operadora.

Eles vão transferir sua linha para um chip virgem ao apresentar CPF e RG. Os códigos mencionados vêm no cartão de onde o chip foi destacado. Caso não o tenha mais, os códigos PIN padrão costumam ser:

  • TIM: 1010
  • Claro: 3636
  • Vivo: 8486
  • Oi: 8888

Quanto ao PUK, é necessário ligar para o serviço de atendimento para descobrir qual é. Sendo a primeira vez que faz isso, você vai precisar dos códigos listados acima para prosseguir.

Vá até as configurações de segurança do seu aparelho para encontrar a opção que permite mudar o PIN. Escolha um que seja fácil de memorizar mas não de adivinhar.

Lembre que você tem somente três tentativas para acertar. No Android (quase) puro, o caminho é Configurações, depois Segurança e então “Configurar bloqueio do SIM”.

Definindo PIN no Android
Protegendo o chip com um PIN no Android

Ative a opção “Bloquear cartão SIM” no chip desejado e clique em “Alterar PIN do SIM”, siga os passos na tela e defina uma senha que somente você sabe. No iPhone, as instruções são essas.

Pronto! Agora, mesmo que você perca ou roubem seu aparelho e, ainda que coloquem o chip em outro telefone, ninguém vai poder fazer nada com a sua linha. O aparelho sequer vai terminar de iniciar.

Informações importantes

Não custa informar que, caso tenha perdido o telefone ou sido roubado, ligue imediatamente para sua operadora e bloqueie o chip. Em caso de roubo, faça ainda um boletim de ocorrência.

As teles TIM, Claro, Oi e Vivo oferecem páginas de autoatendimento onde o bloqueio pode ser feito via internet. Com o chip protegido, você poderá realizar esses procedimentos com mais calma.

Esse texto não é útil caso sua linha seja clonada. Isso permite transferir ela para um chip virgem que não tem senha. Esse caso é grave e requer ação imediata. Ligue para sua operadora e para as autoridades.