Por que devo usar máscaras PFF2/N95?

Diante das novas variantes que surgiram ao redor do mundo neste um ano de pandemia da covid-19, tornou-se necessário melhorar nossa proteção. Para isso temos máscaras com alta capacidade de filtragem.

Elas são conhecidas por diferentes siglas ao redor do mundo, como por exemplo PFF2 no Brasil, FFP2 na Europa, N95 nos Estados Unidos, KN95 na China e KN94 na Coreia do Sul.

Elas possuem capacidade de filtrar pelo menos 95% das partículas que você respira enquanto as utiliza. No Brasil, a descrição das máscaras PFF2 informa que elas protegem contra poeiras, névoas não oleosas e fumos.

Apesar de não mencionar vírus, são capazes de capturar as partículas virais e evitar que entrem no seu sistema respiratório. Elas possuem ainda tratamento eletrostático para ajudar a atraí-las.

A sigla PFF2 significa Peça Facial Filtrante, um EPI (Equipamento de Proteção Individual) que protege nosso sistema respiratório contra alguns tipos de partículas.

As limitações da máscara de pano

No início da pandemia, enquanto o mundo enfrentava e aprendia mais sobre o novo coronavírus conforme ele avançava, as máscaras de tecido já não eram perfeitas mas quebravam o galho.

Elas serviam para ajudar a diminuir a proliferação de partículas contaminadas e ainda favoreciam a disponibilidade de estoque da PFF2 para os profissionais da saúde na linha de frente do combate ao vírus.

Porém, com o tempo, os cientistas foram entendendo melhor como o vírus se propaga pelo ar e como se dá a infecção por meio dos aerossóis, essas pequenas gotículas que ficam flutuando pelo ar.

As mais pesadas caem, mas as mais leves ficam pairando durante horas e transformam o ambiente num campo minado. São pequenas o bastante para entrar por brechas da máscara na região do nariz, bochecha ou queixo.

Por isso se tornou ainda mais importante utilizar uma máscara que além de filtrante, se encaixe bem no rosto para formar uma boa vedação. Entram na conta ainda as novas variantes, com maior capacidade de contágio.

Elas passaram a atacar novos perfis demográficos, como pessoas entre 18 e 50 anos, onde os mais jovens são os que mais circulam e consequentemente mais se infectam e transmitem a doença.

Até então havia a crença de que pessoas mais jovens tinham menor probabilidade de se infectar e evoluir para quadros mais graves, algo que agora se tornou obsoleto.

Em alguns lugares do mundo, como na Alemanha, o governo local não permite mais o uso de máscaras de tecido em transportes públicos, supermercados e outros ambientes fechados.

Agora são necessárias máscaras profissionais como a FFP2, KN95 ou ainda máscaras cirúrgicas, que também são homologadas.

Faz sentido desconfiar da KN95?

As máscaras KN95 têm eficiência de filtragem similar às outras siglas mencionadas no início do texto. Não são exatamente iguais a uma PFF2 ou N95, mas têm alta capacidade de filtragem.

Um dos pontos fracos delas é que, em vez do elástico envolver sua cabeça, vai por trás da sua orelha. Isso reduz a eficiência da vedação e abre espaço para brechas por onde o ar escapar ou entrar sem filtragem.

O maior problema mesmo é a dificuldade de encontrar um produto original diante das falsificações que pipocam aos montes em lojas e marketplaces, dentro e fora do Brasil.

O ideal é que você adquira uma máscara PFF2 com selo de aprovação do Inmetro e código do Certificado de Aprovação (código CA) válido para garantir. Mas se tiver dificuldades, importar máscaras de siglas equivalentes pode ser uma saída.

Mas aí é que está, já que é preciso saber o que você está comprando para que não te passem a perna. Aqui podemos nos basear em órgãos sanitários internacionais para nortear nossas decisões.

O CDC, ou Centro de Controle de Doenças norte-americano, aprovou o uso de produtos de algumas fabricantes de máscaras e entre elas está uma marca chamada Powecom.

Esta empresa chinesa faz produtos com resultados consistentes em testes, alcançando 99% de eficiência na filtragem. Nos Estados Unidos existe o site Bona Fide Masks, que é o representante autorizado de lá.

Para o resto do mundo, é possível contar com esta loja do AliExpress que se apresenta como oficial. Mas e o risco de comprar algo falsificado? Bom, a Powecom inclui um selo em todas as embalagens que vende.

Daí você raspa ele, acessa esta página e confirma se o seu produto é legítimo. Atualmente, as importações do AliExpress têm demorado entre duas a três semanas corridas para serem entregues, mesmo aqui no Nordeste.

A Powecom fabrica diversos modelos de máscara, entre eles o FFP2 com elástico por trás da cabeça e os KN95 com elástico atrás da orelha. Se você vai usar para ir ao supermercado, uma KN95 deve bastar.

Nesse caso, você pode usar um prendedor para poupar suas orelhas e ainda deixar a máscara mais pressionada contra seu rosto, aumentando a vedação dela.

Encontre informação de qualidade

Para te ajudar a encontrar a máscara mais barata e se informar, existem alguns perfis na internet. Além disso, eles trazem dicas sobre como usar corretamente, como reutilizar e novas descobertas científicas.

O @qualmascara (matéria do UOL Universa) traz diversas imagens e vídeos para que você se informe e compartilhe com seus familiares e amigos para que fiquem informados também.

Aqui você vai encontrar o que não fazer com sua máscara PFF2, como saber se o produto que está comprando é original, o que são os aerossóis, entre outros assuntos relevantes e importantes.

Também tem o site PFF para Todos: nele, além de saber onde comprar máscaras PFF2 online ou em lojas físicas, você encontra dicas, informações importantes e doações para quem precisa.

Eles também estão no Twitter pelo @PFFparaTodos.

Outro perfil para seguir é o @estoque_pff. Ele traz um serviço de utilidade pública: informa regularmente sobre onde encontrar máscaras PFF2 baratas sem abrir mão da qualidade. Sempre tem ofertas.

Vale a menção também ao @vitormori, um físico que fala muito sobre transmissões por aerossóis e como se proteger, e o @fvguima, que criou um projeto de doação de EPIs para profissionais de saúde.

O que fazer se os estoques esgotarem?

Bom, você pode usar uma máscara de pano em conjunto com uma máscara cirúrgica. Segundo o CDC, esse combo alcança uma eficácia individual de 83%, o que fica próximo a uma máscara PFF1.

Num mundo em que todas as pessoas usassem a mesma combinação de máscaras, a eficiência subiria para 96%. Esses números levam em conta uma máscara de algodão por cima da cirúrgica e ambas com 3 camadas.

As máscaras cirúrgicas tripla camada também são bem mais baratas do que as profissionais e se encontram mais disponíveis, alcançando também um bom nível de filtragem e proteção.

Além disso, como podemos ver, combinando-a com uma máscara de pano melhora o resultado. Fica como alternativa em caso de esgotamento dos estoques ou se não puder bancar uma profissional nem fazer importação.

Outra opção é importar máscaras KN95 como indicado acima.

Outras dicas importantes

Pode reutilizar máscara PFF2/N95?

Pode sim. Por conta do momento emergencial que vivemos, você pode reutilizar as máscaras profissionais até que a vedação delas fique mais frouxa ou que apresentem sinais de desgaste no filtro.

O ideal é comprar máscaras o bastante para criar um rodízio: com cinco ou sete delas, numere todas e use uma por dia. Quando chegar em casa, deixe-a descansar em local arejado e use a próxima da fila.

São necessários pelo menos 3 dias entre um uso e outro, mas o ideal é deixar uma semana para que qualquer carga viral se desative. Mas, caso entre em contato com alguém infectado, descarte a máscara que usou.

A parte mais cara de comprar máscaras profissionais pela internet costuma ser o frete. As máscaras em si podem ser encontradas por preços unitários que variam em média entre R$ 1,71 e R$ 10.

Se preferir comprar na sua cidade para não pagar frete, veja aqui quais lojas têm máscara profissional em estoque. Independente do preço, desde que possuam certificação do Inmetro e código CA válido, você pode confiar.

Pode usar máscara com válvula?

Se puder, não faça isso. Ela é conhecida como a “máscara egoísta“. Veja, a lógica de usar máscaras não é proteger apenas você mas todos ao seu redor. Cada um se protege e protege quem está do lado.

Quando você vai lá e compra uma máscara com válvula, está protegendo somente você mesmo. Essas válvulas são capazes de filtrar bem o que entra mas não tanto o que sai.

Então se alguém com essa máscara estiver infectado, é um risco para quem estiver próximo. Por isso especialistas advertem que, num contexto de pandemia, nenhuma máscara com válvula é eficaz.

É uma discussão polêmica, mas há situações em que elas têm utilidade. Um exemplo seriam os profissionais de saúde que lidam com pessoas já infectadas. Ou quem trabalha em lugares empoeirados.

Essas máscaras são mais confortáveis pois permitem uma melhor circulação de ar e assim evitam que o interior delas fique suado e acabe molhando a máscara, reduzindo a eficiência dela.

O perfil @pffparatodos também defende outras situações em que máscaras com válvula são úteis: idosos que não conseguem respirar direito, pessoas que trabalham em locais quentes ou que estejam em transição daquelas de tecido para uma PFF2 sem válvula.

O importante seria não retornar para uma de pano e você pode ainda usar uma máscara cirúrgica por cima, ajudando assim a evitar o escape de partículas e tornando as máscaras valvuladas menos egoístas.

Então, para resumir, não é recomendado o uso de máscaras com válvulas em um cenário de pandemia. Mas no caso de faltar modelos sem válvula ou em algumas das situações acima, é uma opção.

As valvuladas, de acordo com o PFF para Todos, continuam sendo máscaras PFF2, protegem o usuário e têm um maior “controle de origem” em relação às máscaras feitas de tecido ou aquelas cirúrgicas.

Mas a dica é: sempre que possível, dê preferência para uma PFF2 sem válvula visando a proteção de todos. Pensar no coletivo mantêm todos protegidos. Valvulada só em último caso.

E a máscara antiviral?

O nome promete mais do que a máscara pode entregar, já que o fio que mata o vírus não significa que a máscara veda bem ou filtra bem. É mais importante uma boa vedação e filtragem do que fios especiais.

Minha barba atrapalha a máscara?

Sim, e quanto mais longa ela for, pior. Isso acontece pois um dos pilares de uma boa máscara é a capacidade dela vedar. Se tiver pelos faciais entre ela e a pele, você terá uma má vedação.

Pode passar álcool e colocar no sol?

Não! Jogar álcool numa máscara profissional acaba com a capacidade dela atrair partículas com seu tratamento eletrostático. Também não é recomendado colocar ela no sol.

Simplesmente deixe-a descansar num local sombreado e bem arejado. Vide tópico sobre reutilização. Também não pode lavar e em caso de suor ou chuva, apenas deixe a máscara descansar e secar naturalmente.

Para mais dicas sobre o uso correto de uma máscara profissional e para tirar outras dúvidas, visite os perfis mencionados mais acima.

É possível me infectar pelos olhos?

É tão possível quanto muito remoto. Ou, em outras palavras, é possível mas também é muito improvável. De acordo com o físico Vitor Mori, são poucas as evidências, mas as que existem sugerem que é incomum.

Esse tipo de infecção se daria, segundo Mori, pela deposição de aerossóis nos olhos. Mas como a quantidade seria bem menor do que a que inspiramos na respiração sem máscara, torna o vetor pouco eficiente.

Para ele, faz sentido o uso de óculos de proteção ou face shield para profissionais da saúde que lidam com pacientes infectados num ambiente repleto desses aerossóis. Já para o cidadão médio, não é necessário.

Se você usa óculos de grau, isso já ajuda a evitar um hipotético contágio pois se torna uma barreira a mais. Mas nada impede que, por descarrego de consciência, você use um face shield ou óculos de proteção na rua.

Fazer mal não vai. Porém sempre em conjunto com uma boa máscara. Isso é o mais importante, assim como evitar ambientes mal ventilados e manter o distanciamento social.

Nunca use somente um face shield, nem máscaras de tricô ou de gase nem máscaras de plástico rígido transparente que não propiciam filtragem alguma.

Máscara com carvão ativado é melhor?

Não são melhores nem piores. Elas, de acordo com o PFF para Todos, “protegem contra vapores orgânicos como cheiros de tinta e outros cheiros fortes como cigarro. Mas quanto ao SARS-CoV-2 não muda nada”.

Para a proteção contra o vírus elas são tão eficazes quanto as brancas ou azuis (ou rosas). Você pode preferir elas por uma questão estética ou por terem menor demanda e o preço poder estar mais em conta.

As brancas, além de mais requisitadas, têm uma proteção extra contra jatos de fluídos, o que faz sentido dentro do ambiente hospitalar. Mas independente da cor, desde que tenham selo do Inmetro e código CA válido, vão proteger você do vírus.

O governo vai entregar máscaras de graça?

Ao menos por enquanto, a resposta é não. Mas um Projeto de Lei (PL 762/2021) foi apresentado no Senado e trata da distribuição gratuita de máscaras PFF2 pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Caso entre em vigor, beneficiários do auxílio emergencial, do programa Bolsa Família ou do Benefício de Prestação Continuada (BPC) terão direito às máscaras desde que também tenham cadastro no SUS.

O PL também trata da campanha para informar a população sobre como utilizar corretamente o equipamento profissional. O gestor do SUS ficará responsável por centralizar e distribuir as máscaras pelo Brasil.

Para bancar os custos que a Lei demanda, está previsto usar dinheiro do Fundo Nacional de Saúde. Para acompanhar a tramitação e opinar sobre a matéria, visite a página do Projeto de Lei no site do Senado.

Considerações finais

Ao adquirir suas máscaras no Brasil, procure sempre pelo selo do Inmetro, pelo código CA e preste atenção em outras informações importantes da embalagem e da máscara em si.

Use sempre máscara ao sair de casa, entrar em estabelecimentos e andar na rua. Dê preferência a ambientes ventilados, mantenha distância dos outros e higienize as mãos regularmente com sabão ou álcool em gel.

Ao usar máscaras profissionais, garanta que estejam sempre bem vedadas e encaixadas no seu rosto e cuide bem delas. Caso comecem a ficar frouxas ou com sinais de desgaste, descarte-as.

Ninguém gosta de usar máscaras, mas é um equipamento indispensável por enquanto. Com todo mundo se cuidando, logo tudo isso vai passar. A verdadeira roleta russa e o que realmente atrapalha respirar é o vírus.