NuConta: vale a pena investir no RDB do Nubank?

O Nubank recentemente lançou uma nova forma de investir através da NuConta. Agora, em vez de títulos públicos, os usuários podem escolher investir no RDB da Nu Financeira. O que isso tudo significa? É melhor do que a opção anterior?

A NuConta é a conta de pagamentos oferecida pelo Nubank. Todo o dinheiro que você deixa nela rende 100% do CDI, o que agora dá cerca de 6% ao ano. Até então, toda essa grana ficava separada do patrimônio do Nubank.

Assim, caso a empresa viesse a falir, não poderia tocar no montante. O rendimento vinha dos investimentos realizados em títulos públicos. Isso significa que o dinheiro era emprestado ao Governo, que pagava de volta com juros para você.

Agora o Nubank adicionou essa nova opção de investimento: você pode colocar seu dinheiro em um RDB, o que significa emprestar bufunfa para a fintech e receber com juros. O rendimento é o mesmo da modalidade anterior, ou seja, 100% do CDI.

Porém agora a startup pode usar esse dinheiro, afinal você estará emprestando para ela e não mais para o Governo. Assim o Nubank pode bancar o funcionamento dele e os serviços que oferta para os demais usuários, como empréstimos.

A garantia de que você terá seu dinheiro de volta vem do FGC, o Fundo Garantidor de Crédito. Caso o Nubank chegue a falir, você recebe o dinheiro junto com os rendimentos até o dia em que ele bater as botas.

Afinal, qual é a melhor opção?

Como o rendimento é o mesmo, a melhor alternativa continua sendo manter o dinheiro nos tradicionais títulos do Tesouro. A menos que você queira mesmo emprestar dinheiro ao Nubank e acha a garantia do FGC boa o bastante.

Ela de fato é, mas ao emprestar dinheiro ao Governo, temos o chamado risco soberano. Isso significa que para você não ser pago, ele teria que dar um calote na dívida. Essa é uma situação muito grave e muito remota, por isso o risco é menor.

Inclusive, investir em títulos públicos do Tesouro Nacional tem o menor risco do mercado, sendo perfeito para investidores conservadores. Se você quer dormir tranquilo de noite e é avesso a riscos médios ou altos, esse tipo de renda fixa é perfeito.

Apesar da existência do FGC para cobrir os investimentos feitos no RDB do Nubank em caso de quebra, é muito mais fácil a fintech falir e dar calote do que o Governo. Logo o risco aqui é maior do que manter na modalidade de investimento anterior do Nubank.

Como o rendimento dos investimentos no RDB é igual ao anterior, não cobre esse singelo aumento no risco. Portanto, é melhor continuar como está. Apesar do Nubank vender o RDB como uma “evolução” por contar com o FGC, não é bem assim.

Resumindo…

Se você quer o menor risco e a máxima segurança e garantia de ter o dinheiro de volta em caso de situação adversa, mantenha os investimentos em títulos públicos. Para isso, você não precisa fazer absolutamente nada.

Basta deixar sua NuConta como está. Agora se você confia no FGC e quer ver seu dinheiro sendo empregado nos produtos e serviços ofertados pelo Nubank, vá nas configurações e mude para o RDB e passe a ser credor da fintech.

O que é, o que é…

Esse texto contem algumas sopas de letrinhas. Algumas delas não foram explicadas extensivamente, então segue um pequeno glossário:

CDI

É um termo bastante comum que significa Certificado de Depósito Interbancário. Ele determina o quanto diversos tipos de investimento vão render por ano. Em 2018, essa taxa foi de 6,4%.

O CDI é o nome dado aos empréstimos que os bancos fazem entre si para fechar o dia com saldo positivo. Por determinação do Banco Central, eles nunca podem ter mais saídas do que entradas num intervalo de 24h.

Como nem sempre é possível, são realizados empréstimos entre eles para fechar o caixa no verde e o CDI é a taxa de juros cobrada nessas operações. Assim ela se tornou também a taxa de referência para investimentos de renda fixa.

Quando vemos um investimento que informar que rende 100% do CDI, isso significa que por ano ele irá render o valor total dessa taxa de juros. Ou seja, neste momento equivale a um retorno de 6% a.a. É só fazer as contas.

CDB

Significa Certificado de Depósito Bancário e basicamente significa que você está emprestando dinheiro para uma instituição financeira, visando ser ressarcido com juros depois. É uma das fontes que os bancos tem para fechar o dia no verde.

Também é usado para manter as operações e prestar serviços aos demais clientes. Usa o CDI como taxa referencial para determinar o quanto irá render.

RDB

Significa Recibo de Depósito Bancário, sendo idêntico ao CDB, porém sem contar com liquidez diária nem possibilidade de vender para outro investidor. Mas no caso da NuConta é oferecida liquidez diária e você pode usar o dinheiro quando quiser.

Liquidez

Determina o intervalo de tempo que você precisa esperar para usar o dinheiro e seus rendimentos. Varia entre diária até alguns anos. Liquidez diária significa que você pode resgatar seu dinheiro num intervalo que vai de imediato a algumas horas.

FGC

Fundo de garantia que cobre o ressarcimento dos valores investidos em instituições financeiras que venham a falir. Garante a devolução de até R$ 1 milhão, sendo R$ 250 mil por CPF por conglomerado.

Então se você tiver dinheiro em quatro bancos distintos que faliram num intervalo de 4 anos, vai receber do FGC no máximo R$ 250 mil por cada um deles. Caso tenha menos do que esse valor em conta quando a falência ocorreu, vai receber o dinheiro todo.

O Fundo Garantidor de Crédito é o mesmo responsável por dar cobertura para a poupança e conta corrente em bancos tradicionais. Se um deles falir, você será ressarcido até o teto mencionado acima.

Verifique se o investimento desejado é coberto pelo FGC antes de investir qualquer valor nele se você é um investidor conservador e quer correr menos riscos. Investimentos em títulos públicos não são cobertos pelo FGC por conta do risco soberano.

Acompanhe pelas redes sociais