Press "Enter" to skip to content

Aprenda a controlar a exposição para tirar fotos melhores

Uma boa foto é aquela que ficou exposta corretamente. Isso significa que a quantidade ideal de luz a atingiu em todos os lugares certos. A exposição depende de três fatores: abertura do diafragma, velocidade do obturador e sensibilidade do ISO.

Esse trio é conhecido como Triângulo da Exposição. Infelizmente, nem todas as câmeras vão permitir que estas configurações sejam alteradas. Mas independente disso, é importante saber seu funcionamento para tirar fotos melhores.

Abertura do diafragma

Este ajuste é representado pelo símbolo ƒ na sua câmera. É conhecido também como ƒ-stop. Basicamente, isso controla a quantidade de luz que pode passar pelas lentes até o sensor. Quanto mais abertura, mais luz entra e menor fica o valor de ƒ.

Por exemplo, o valor ƒ/1.0 indica que o diafragma está bastante aberto. Ele é uma proporção e, de acordo com o fotógrafo Matt Cole, faz a relação entre o diâmetro da abertura nas lentes e a distância focal delas.

A distância focal geralmente é determinada em milímetros, então usaremos esta unidade de medida. Uma lente de 50 mm com ƒ/2 indica que o diâmetro de abertura é de 25 mm. A proporção é de 50 dividido por 2, que é igual a 25.

As coisas podem ficar um pouco mais complicadas que isso. Mas para quem está começando, saiba apenas que o ƒ determina a quantidade de luz que se deixa passar até o sensor.

Ao fotografar algo que emana muito brilho, precisamos de uma abertura menor. É como ajustar a cortina num dia muito claro. Você não precisa abri-la totalmente para que o ambiente seja tomado pela luz desejada.

Num dia chuvoso, aí sim você precisaria abrir tudo para que a maior quantidade de luz possível possa entrar.

Tempo de exposição

Determina a velocidade do obturador, definindo até quando ele fica aberto para receber luz. Quanto mais rápido ele abre e fecha, menos luz é capaz de entrar. Se ficar aberto muito tempo, mais luz vai ser capturada.

Quando você fotografa o céu noturno e deseja registrar as estrelas, será preciso um tempo de abertura maior para que o máximo de luz possível possa entrar. Se o alvo fosse a lua, por ela ser brilhante, o tempo pode ser menor.

Quando muita luz entra, suas fotos podem ficar borradas. Mover a câmera causa o mesmo efeito. Voltando ao exemplo do céu noturno, é importante manter a câmera estável para evitar resultados indesejados.

Caso contrário, sua foto além de ficar borrada, pode mostrar “caminhos de luz”. Porém esses caminhos podem se transformar num truque legal se você souber o que está fazendo e de fato buscava esse efeito.

Ao tentar fotografar um beija-flor ou algo que esteja em movimento, será preciso um tempo de abertura muito curto. Assim, você deixa entrar luz o bastante para capturar uma batida de asa do pássaro.

Por outro lado, um tempo de exposição mais longo permite capturar mais batidas de asa, resultando no borrão do movimento delas. A velocidade do obturador é medida em frações de segundo.

Fotografar algo em movimento pode chegar a demandar uma velocidade de 1/1200 (1 segundo dividido por 1200). Mas isso varia de acordo com a imagem. O céu noturno e o caminho de luz precisam de um obturador aberto por até 30 segundos.

As configurações ideais vão depender da imagem que você está tentando capturar, a iluminação do local e as outras duas configurações de exposição.

Quanto mais alta a velocidade do obturador, menor o tempo de exposição e vice-versa.

Sensibilidade ISO

Esta é a terceira parte do Triângulo da Exposição. A sigla ISO significa International Standards Organization, a organização internacional que determina os padrões usados no mundo inteiro.

Na fotografia, o ISO determina a sensibilidade do sensor em relação à luz. Em máquinas analógicas, o ISO determina quão sensível é o filme presente no rolo em relação à luz que o atinge.

Já nas máquinas digitais, existe um sensor com sua própria configuração de ISO. Quanto menor o valor, menos sensível à luz ele se torna e mais escura fica a foto resultante.

O mesmo princípio vale para câmeras com rolo de filme, onde um ISO menor resulta em fotos escuras. Porém no filme ele é um valor fixo e na câmera digital é ajustável.

Elevar o ISO permite fotografar sem precisar ligar o flash, pois assim o sensor fica mais sensível à luz no ambiente. Porém existe uma contrapartida: um ISO muito alto pode fazer sua foto ficar menos detalhada e cheia de ruído.

Em geral, você vai quase sempre manter o ISO numa configuração baixa. Dificilmente será necessário usar um ISO alto, já que os resultados podem ser desagradáveis, como a perda de definição.

Alguns fotógrafos podem até gostar dessa aparência quando ela gera a textura “granulada” que um filme sensível possui. Mas quando os pixels são coloridos, o resultado não costuma ser agradável.

Quando no modo automático, sua câmera tenta alcançar o menor ISO possível para a cena. Uma vez no modo manual, você pode realizar ajustes para fotografias noturnas ou qualquer outra situação onde a iluminação está aquém do ideal.

Configurações ideais para cinco tipos de fotos

Fotos da lua

A abertura do diafragma costuma ser a configuração mais importante para este tipo de fotografia. Dependendo da lua, comece usando essas configurações:

  • Lua cheia: tempo de exposição em 1/25, abertura em ƒ/11 e ISO 250;
  • Lua minguante: tempo de exposição em 1/60, abertura em ƒ/11 e ISO 250;
  • Lua crescente: tempo de exposição em 1/15, abertura em ƒ/2.8 e ISO 250.

Estas configurações são exemplos e você pode sempre brincar com elas na hora de fotografar. Uma pena que nem todas as lentes são capazes de fazer fotos da lua.

Você vai precisar de uma teleobjetiva com distância focal de no mínimo 300 mm. Além disso, é recomendado usar um tripé para garantir a estabilidade da câmera. O menor movimento pode deixar sua foto borrada e arruiná-la.

Fotos na rua

Nessas condições, você geralmente precisa ser rápido para garantir a foto desejada. Num dia ensolarado, eis um exemplo de configuração para começar:

  • abertura do diafragma em ƒ/16;
  • velocidade do obturador maior que 1/200;
  • ISO entre 200 e 400.

Lembre que quanto maior a velocidade do obturador, menos tempo ele fica aberto, o que é ideal para capturar algo em movimento sem o borrão causado pelo deslocamento do alvo.

Objetiva é o nome do conjunto de lentes que é acoplado na câmera e inclui o diafragma. As pessoas costumam chamar essa parte do equipamento simplesmente de lente, quando na verdade é formado por várias lentes.

Uma objetiva grande-angular é recomendada para obter um campo de visão maior. Uma teleobjetiva também pode funcionar, mas faria você parecer um paparazzi andando na rua com um conjunto de lentes gigante.

Fotos em movimento ou de pássaros

Seja um jogo de futebol ou o bater de asas de um pássaro, a chave para ótimas fotos nestas condições está na velocidade do obturador. Para começar a brincadeira, o recomendado é algo a partir de 1/500.

As outras duas pontas do triângulo podem continuar como na recomendação para fotos na rua, dependendo da iluminação ambiente.

Água corrente

Assim como no cenário anterior, aqui a velocidade do obturador também é importante. Capturar o fluxo da água requer uma alta velocidade do obturador. A decisão fica por conta da velocidade da corrente e resultado desejado.

Para fotos mais etéreas e pulverizadas:

  • abertura do diafragma em ƒ/16;
  • ISO no menor nível permitido pela câmera;
  • velocidade do obturador em 2 segundos.

Para capturar as gotas de água numa corrente, a velocidade do obturador precisa estar altíssima, tipo em 1/2000.

Céu noturno e estrelas

De acordo com a Nikon norte-americana, as configurações ideais para esse objetivo começam em:

  • abertura do diafragma tão alta quanto sua câmera permitir;
  • velocidade do obturador em 20 segundos;
  • aumente o ISO conforme o necessário ou tente algo entre 4.000 e 12.800.

Às vezes pode ser complicado fazer fotos do céu noturno, principalmente quando você quer incluir também a paisagem aqui na Terra. Isso faz com que sejam necessárias diferentes configurações de exposição. Seu trabalho é encontrar o equilíbrio ideal para capturar tanto o céu quanto o terreno.

A partir das dicas deste artigo, você pode começar a compreender melhor as configurações da sua câmera e consequentemente tirar fotos melhores. Vá em frente e se aprofunde mais no mundo da fotografia lendo conteúdos a respeito.

As sugestões existentes aqui não passam disso. Você pode começar com elas e depois ir mexendo até encontrar o ponto que considerar ideal para o que está procurando. As fotos podem até sair melhores que a encomenda.

Este texto foi adaptado desta publicação em inglês do LifeHacker.