Firefox: como navegar com mais privacidade na internet

O Firefox é o navegador gratuito e de código aberto da Mozilla. Depois do Opera e até da Microsoft passarem para o lado Chromium da Força, o panda vermelho se tornou o principal contraponto à hegemonia do Google.

Em tempos de escândalos do Facebook, a proposta do Firefox é ser um navegador voltado para a privacidade do usuário. E após ler esse texto, você vai acrescentar novas ferramentas para se ver ainda mais livre dos bisbilhoteiros.

Os complementos e configurações a seguir podem ser adicionados tanto na versão para computador quanto na versão para smartphones.

CanvasBlocker

Uma das novas técnicas para rastrear você pela internet é usar um código JavaScript que cria uma “impressão digital” sua. Ele consegue identificar você pela forma como seu computador reproduz o código e assim gera uma chave única.

Desta forma, é possível seguir você por vários sites e observar seu comportamento. O uso original da tecnologia presente no HTML servia para recursos gráficos e animações até ser desvirtuado para fins nefastos.

O CanvasBlocker engana esses scripts criando uma impressão digital falsa e impedindo que o rastreador consiga criar um identificador único sobre você. Mais informações na página de instalação do complemento.

Privacy Badger

Basicamente, o Privacy Badger fica de olho se há rastreadores presentes nas páginas que você navega. Ele consegue detectar até aqueles invisíveis. Sempre que percebe algum cookie de terceiros seguindo você por diferentes sites, ele bloqueia.

Caso ele esteja errado ou resulte em algum problema na página, você pode autorizar o cookie através do botão na barra de ferramentas. Ele também trabalha contra os scripts que criam uma impressão digital para te rastrear.

Mais informações (e outros navegadores compatíveis) no site do Electronic Frontier Foundation (EFF).

uBlock Origin

Além de oferecer recursos de bloqueio de anúncios, o uBlock traz listas que melhoram a privacidade e segurança de sua navegação. Entre elas, temos bloqueios de mineradores, bloqueios de domínios com vírus, bloqueio de scripts irritantes e rastreadores.

Ele usa listas próprias e fornecidas por outras empresas como AdGuard e Disconnect, sendo possível ainda adicionar listas personalizadas. Basta acessar as configurações do complemento e ativar/acrescentar todas as que você achar necessário.

PS.: além do uBlock Origin, existe ainda o Nano e ambos são baseados no mesmo código. Eles juntos atuam como bloqueador de detectores de bloqueador de anúncios. De qualquer forma, apenas coloque este blog fora da lista de bloqueios hehehe

Configurações do Firefox

O Firefox já traz embutido algumas ferramentas interessantes para proteger sua privacidade e ainda acrescentou uma nova recentemente. Acesse as primeiras diretamente digitando about:preferences#privacy na barra de endereços.

Ou então você pode ir nos três tracinhos, depois Preferências e por fim Privacidade e Segurança. Lá você pode ativar o bloqueio nativo de rastreadores e cookies de terceiros, esteja você ou não numa janela anônima.

Para tornar sua navegação ainda mais protegida, dá para criptografar até as requisições DNS. O DNS é como a lista telefônica da internet, já que o computador não entende www.cadusilva.com e sim o IP para onde este endereço aponta.

Quem diz para o computador a sequência alfanumérica que o domínio representa e permite que você leia esse post é o servidor DNS. Por ser uma ferramenta base do funcionamento da internet desde seus primórdios, não dispõe de criptografia alguma.

Naquela época eles nem imaginavam o mundo de hoje e achavam que seria tranquilo não codificar nada. Mas os tempos mudaram e saber quais endereços seu computador resolveu durante a navegação vale ouro para as empresas.

Para lidar com isso, temos os chamados DNS over HTTPS (DoH) e DNS over TLS (DoT). Eles enviam as requisições de modo cifrado para um servidor compatível. Assim, por exemplo, nem seu provedor não fica sabendo por onde você passou.

Hoje temos alguns serviços de DNS que usam essa tecnologia, entre eles o Cloudflare DNS e até mesmo o Google. Por sua preocupação com a privacidade, a própria Mozilla elegeu o primeiro como resolvedor padrão do novo recurso do Firefox.

A propósito, este é o único navegador compatível com a tecnologia até o momento. Para configurar o navegador para resolver os endereços que você acessa de modo criptografado, o primeiro método envolve acessar as configurações do Firefox.

Você pode chegar na tela de Preferências clicando nesta opção no menu ou digitando about:preferences na barra de endereços, ambos os caminhos na versão desktop. Em Geral, role a tela até encontrar as Configurações de Rede.

Acesso às Configurações de Rede do Firefox.

Clique em Configurar Conexão, role a janela até encontrar Ativar DNS sobre HTTPS. Em Usar Provedor, deixe o Cloudflare (padrão) ou defina um serviço que você conheça e prefira. Acessando este site você encontra algumas alternativas.

Ativando o DNS sobre HTTPS no Firefox.

O motivo para o Firefox usar o Cloudflare como padrão é que ambas as empresas chegaram a um acordo onde é coletado o mínimo possível de dados sobre os usuários do serviço, já que o foco é a privacidade.

Se preferir, ou caso use o Firefox Mobile, há um segundo método: digite about:config na barra de endereços e procure por trr.

  • Em network.trr.mode digite o valor 2.
  • Em network.trr.bootstrapAddress, digite 1.0.0.1;
  • Em network.trr.uri, digite: https://mozilla.cloudflare-dns.com/dns-query (padrão) ou uma das opções deste link.

A configuração do primeiro ponto tem as seguintes opções:

  • 0 é o valor padrão, que no momento equivale ao 5 logo abaixo. Ou seja: desativado;
  • 1 ativa o DoH, mas o Firefox decide se usa ele ou uma consulta DNS tradicional baseando-se em quem responde mais rápido;
  • 2 ativa o DoH, mas as consultas DNS tradicionais são usadas como reserva;
  • 3 ativa o DoH, mas as consultas DNS tradicionais são desativadas;
  • 5 desativa o DoH.

Portanto, manter o valor como 2 traz os melhores resultados e não te deixa sem conexão por conta de algum delay ou outro problema. Ainda que o endereço principal do Cloudflare DNS seja 1.1.1.1, alguns provedores usam esse IP para outros fins.

Para evitar conflitos que podem te deixar sem conexão, melhor usar o endereço secundário. Pronto! Agora é só navegar sabendo que até mesmo os endereços que você acessou estão longe dos olhos de empresas de anúncios e outras mais maliciosas.

Container do Facebook

O Firefox também possui os chamados Containers que permitem acessar contas diferentes num mesmo site ao colocar cada uma num container. O mesmo recurso serve ainda para isolar o Facebook e impedir que ele persiga você pela internet.

Para automatizar o processo, basta instalar o complemento Facebook Container da própria Mozilla. Sempre que você acessar o site do Facebook ou do Instagram, a página vai ser colocada automaticamente num container.

Assim, você não precisa se preocupar em ser perseguido pelo Mark e seus anunciantes enquanto navega na internet. Tudo relacionado aos sites mencionados vai ficar preso dentro dos containers onde estão.

Motores de busca

Não adianta muito ativar tudo isso e ainda usar o Google, Bing e outros buscadores que se alimentam dos dados que você deixa para trás em sua navegação. Para solucionar isso, trago outras ferramentas de pesquisa voltadas para sua privacidade.

O DuckDuckGo é o principal nome quando se fala nisso. Ele mostra os resultados do Bing sem que nenhum dado que possa te identificar fique registrado. O mesmo vale para a Startpage, que nesse caso usa o Google como fonte dos resultados.

Você pode configurar seu navegador para usar essas ferramentas por padrão ao pesquisar algo na barra de endereços. Não somente isso mas, como falei anteriormente, todas as dicas do post funcionam no computador e celular.

Agora além de navegar na internet com mais privacidade usando ferramentas selecionadas a dedo, você ainda terá uma experiência mais rápida devido aos scripts e anúncios que não serão mais carregados. Economize sua franquia de internet.

Outros navegadores com proposta parecida já existem, como o Brave e até mesmo versões do Chromium onde tudo ligado ao Google foi removido. Mas aqui temos outra alternativa baseada em desenvolvedores preocupados com a privacidade desde o início.