Dual boot: como manter o mouse Bluetooth pareado entre sistemas

Quem usa mouse Bluetooth e tem dois sistemas operacionais instalados no computador deve ter percebido a necessidade de parear o dispositivo novamente a cada boot alternado. Cada sistema tem sua própria chave, o que causa esse problema.

A solução envolve navegar pelas entranhas de ambos e transplantar a chave de um para outro. Assim quando você ligar o mouse em qualquer um dos sistemas operacionais, a chave será a mesma e ele começará a funcionar normalmente.

O caminho mais estável é primeiro parear o mouse Bluetooth no Linux e então copiar a chave para o Registro do Windows. Logo, esse tutorial não abrange cenários de dual boot entre Windows e Mac ou Mac e Linux.

Obtendo a chave no Linux

Primeiramente, é necessário saber a senha do usuário root do seu sistema. O velho e bom comando sudo su não é o bastante. Você vai digitar su no Terminal e inserir a senha do usuário root. Então vamos lá, digite a seguinte série de comandos no Terminal:

$ su
# cd /var/lib/bluetooth/
# ls

O comando cd acessa o diretório informado na sequência na mesma linha e o comando ls lista o conteúdo da pasta.

Dentro do diretório mencionado acima você verá outro com um nome nesse formato: AA:AA:AA:AA:AA:AA. Ele é o endereço MAC do adaptador Bluetooth do seu computador. Para acessar essa pasta, digite, por exemplo, cd AA:AA:AA:AA:AA:AA.

Dentro dela terá outra pasta com o nome no mesmo formato (exemplo: BB:BB:BB:BB:BB:BB), que é o MAC do seu mouse Bluetooth. Anote ambos os endereços MAC. Agora digite cd BB:BB:BB:BB:BB:BB para acessar a pasta do seu mouse.

Dentro dela, você verá um arquivo chamado info. Copie ele através do Terminal (usando o comando cp) para um lugar onde tanto o Linux quanto o Windows consigam acessar:

cp info /pasta/da-sua/area-de-trabalho/no/Windows/info.txt

No meu caso, salvei na pasta Desktop do meu usuário no sistema da Microsoft. Dentro do arquivo info está a chave de pareamento Bluetooth negociada entre o mouse e o sistema Linux. Nesse trecho:

...

[LinkKey]
Key=XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
Type=4
PINLength=0

...

Os números e letras que aparecem no lugar dos X para você formam o código que precisamos informar ao Windows.

Pareando com o Windows

Mantenha o mouse Bluetooth desligado e não realize um novo pareamento para que possamos saber se tudo funcionou direito. Por conta disso, será necessário um mouse com fio, com dongle ou o touchpad do seu notebook para navegar pelo sistema.

Primeiro, baixe o PsTools. Vamos precisar dele para editar o Registro do Windows. Extraia em uma pasta chamada PsTools na sua Área de Trabalho e abra o Prompt de Comando como administrador. Para isso, pesquise por cmd no Menu Iniciar e clique com o botão direito do mouse.

Usando o comando cd, navegue até a pasta onde você extraiu o PsTools. Exemplo no Windows 10:

> cd c:\Users\<seu-usuario-aqui>\Desktop\PSTools

Então execute o seguinte comando:

psexec -s -i regedit.exe 

Agora navegue até a seguinte chave:

HKEY_LOCAL_MACHINE\SYSTEM\ControlSet001\Services\BTHPORT\Parameters\Keys\

Lembra que pedi para você salvar os dois endereços MAC que o Linux listou como pastas acima? Agora você vai procurar a chave referente ao MAC do seu adaptador Bluetooth. Por exemplo, se ele é 85:6E:A3:12:AC:20, então procure pela pasta 856ea312ac20.

Dentro dela, você vai encontrar o MAC do seu mouse Bluetooth apresentado da mesma forma que acabei de citar. Clique em cima do REG_BINARY referente ao MAC do seu mouse com o botão direito e clique em Modificar dados binários.

Você verá uma janela como essa:

Tela de edição do valor binário.

Substitua todos esses pares de letras e números pelo código Key em [LinkKey] no arquivo info.txt que você salvou na sua área de trabalho antes. Apague tudo na tela acima e saia digitando a chave, que vai se organizando em pares e quebrando linhas automaticamente.

Ao terminar e clicar em OK, pode ligar o mouse Bluetooth que ele deve ser pareado e começar a funcionar imediatamente. Prontinho! Agora seu mouse deve se conectar sempre que você iniciar qualquer um dos sistemas, já que passaram a compartilhar a mesma chave.

Nada mais de ficar pareando o dispositivo a cada novo boot no Windows ou no Linux. Como diriam as Organizações Tabajara, seus problemas acabaram! Esse tutorial foi executado com sucesso entre uma instalação do Linux Mint e do Windows 10.

Acompanhe pelas redes sociais